• 01 out 19

    O envelhecimento populacional está prestes a se tornar uma das transformações sociais mais significativas do século XXI (ONU, Campanha Dia Internacional do Idoso – 2019)

    Em breve o mundo que conhecemos será composto por uma maioria de idosos.

    Traduzindo em números, temos a seguinte perspectiva:

    – A cada 2 segundos alguém no mundo se torna idoso. Nos próximos 10 minutos teremos no mundo aproximadamente 1.200 novos idosos (ONU).

    – Entre 2017 e 2030 a projeção é de que o número de pessoas com 60 anos ou mais cresça 46% (ONU).

    – O número de pessoas com idade superior a 60 anos chegará a 2 bilhões de pessoas até 2050; isso representará um quinto da população mundial (OMS).

    – O número de idosos ultrapassará o de crianças de 0 a 14 anos de idade (OMS).

    – Em 2030 nosso país terá a quinta maior população idosa do mundo (ONU).

    ́ ? ̂ ? ?

    Hoje, º , ́ . Uma data que precisa ser um alerta para a população – uma nova realidade demográfica, procurando estabelecer estratégias que possibilitem alcançar uma longevidade saudável e com qualidade de vida.

    Neste ano a campanha da Organização das Nações Unidas ONU tem como propósito promover a “igualdade entre as diferentes idades”, pois o envelhecimento só poderá ser bem-sucedido se for inclusivo e com oportunidades bem estabelecidas para todas as idades, o que inclui os idosos.

    De acordo com a ONU, esse tema escolhido para 2019 está alinhado ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 10 (ODS 10) e concentra-se em reduzir a desigualdade dentro e entre os países, visando “garantir a igualdade de oportunidades”, inclusive por meio de medidas que possam eliminar a discriminação e “capacitar e promover a inclusão social, econômica e política de todos, independentemente da idade, sexo, deficiência, raça, etnia, origem, religião, status econômico ou outro qualquer motivo”.

    Incluir significa que o idoso deve ser visto como parte da nossa sociedade, como um integrante da nossa comunidade que pode contribuir (e muito) com o meio em que vive e com todos aqueles que fazem parte dele.

    Envelhecer pode ser um tempo de oportunidades. Para isso, é preciso acabar com determinados comportamentos adquiridos que estigmatizam o envelhecimento, transformando essa etapa em sinônimo de doença, de invalidez, de tristeza e isolamento social. Estes são estigmas que podem inclusive afastar a pessoa de pensar sobre ser idoso e consequentemente, de se preparar para ter uma boa velhice, com saúde, independência e autonomia.

    Para saber mais sobre como chegar bem a velhice e conquistar um envelhecimento saudável, sustentável e inclusivo, acesse https://www.maisakairalla.com.br/chegue-bem/

     

Categorias