• 21 dez 17

    No Brasil estamos no período do verão, estação caracterizada pelo o clima quente e seco apresentado nas diversas regiões do País, o que representa uma combinação perigosa para a saúde dos idosos. Esta é uma parcela da população mais propensa aos efeitos do calor e com maior risco de desidratação.

    Isso ocorre porque com o envelhecimento do organismo, é comum perder muito líquido pela pele. Outro fator agravante à a diminuição da vontade de beber água, situação natural entre os idosos.

    A recomendação é ingerir líquidos, sobretudo, água, para não ocorrer a desidratação. Mesmo sem sede, deve-se estabelecer uma rotina de tomar água, para que se alcance a manutenção do corpo, dos órgãos e tecidos, garantindo saúde e qualidade de vida.

    Além disso, deve-se evitar a exposição ao sol por longos períodos. A recomendação é 15 minutos por dia à luz solar. De preferência com os membros superiores e inferiores (braços e pernas) – sempre até 10h e a partir das 16h (no horário de verão).

    Sinais e consequências da desidratação

    Entre os sinais de desidratação estão a sede, confusão, irritabilidade e baixa elasticidade da pele.

    As consequências de um quadro de desidratação podem ser exaustão, queda, hipotensão, confusão mental, derrame, acidente vascular cerebral (AVC), entre outros agravos, incluindo até infecções.

    Uso de Ar condicionado e ventilador

    O idoso pode apresentar determinadas fragilidades que o deixam mais vulnerável à oscilação de temperaturas (quente-frio). Um choque térmico no jovem é menos danoso ou deletério que num idoso.

    Então não é recomendado que um idoso saia de um ar condicionado de 10° para um calor de 35° – 40°.

    É preciso ficar atento também ao ar condicionado no verão. O uso do equipamento pode deixar o ambiente com ar seco. Quando nariz e garganta estão desidratadas, ficam mais suscetíveis a sangramentos e quadros infecciosos.

    Em lugar de se expor às baixas temperaturas do ar condicionado, hidrate-se, aproveite o banho para inalar o vapor, tome líquido. Até mesmo recorrer a uma bacia de água no quarto para umidificar o ambiente é válido.

    Se for para o ar condicionado, modere a temperatura. Sem exageros, sempre.

    Dicas

    Procure praticar atividades fora de casa fora dos horários de altas temperaturas. De preferência até 10h e após 16h

    Aos idosos que têm hábito de fazer exercícios, além de preferir estes horários, busque atividades aquáticas, como natação ou hidroginástica.

    Use protetor solar; roupas leves, bonés e chapéus

    Beba bastante líquidos (não alcoólicos, sem cafeína, pois estes ingredientes têm um efeito diurético).

    Prefira alimentos leves e com líquidos, como saladas, legumes e frutas

    Use o ar condicionado com sabedoria. E, antes de sair de casa, desligue-o para que o corpo gradativamente regule a temperatura com a do ambiente.

    Fique dentro de casa em espaços resfriados, tanto quanto possível. Importante também fazer a manutenção do equipamento

    Esteja ciente dos sinais de desidratação

    Fonte: Dra. Maisa Kairalla – médica geriatra

Categorias